Skip to content

MEC e CNE dão tiro de misericórdia na escola pública de nível médio

02/07/2009

escolaCapitaneado por Fernando Haddad, o MEC e o CNE deram o tiro de misericórdia na escola pública de ensino médio. Tudo ia mal nessa escola, e ela estava agonizando. Pode-se ficar calmo agora, ela não vai mais sofrer. Virá o descanso eterno.

Essa escola foi o nosso orgulho no passado. Éramos um Brasil que iria ter futuro, quando olhávamos tal escola. Seus professores eram tão ou mais importantes que os das faculdades. Cada disciplina dava condição de se aprender realmente o que iria ser requisitado no início da faculdade. Isso foi assim, e só faz vinte ou trinta anos. Tornada profissionalizante pela LDBN de 1971 e, depois, conduzida a uma descaracterização total ao final do Regime Militar, ela nunca mais se recuperou. Oito anos de governo FHC e, então, mais oito anos com Lula, e ela só piorou. Finalmente encontrou-se a solução, típica de veterinário ruim: sacrificá-la.

Agora sim, realmente dá para entender o que o ministro Fernando Haddad queria dizer quando ligou para minha casa, querendo se desculpar pela sua articulação com os grupos empresariais – nitidamente conservadores – do movimento “Todos pela Educação”. Também agora consigo ver, claramente, a razão do Jarbas Passarinho dizer publicamente que “ah, gosto daquele moço”. É que Fernando Haddad tinha uma tendência de falar de socialismo e posar de esquerda, mas sua prática política é a da direita. Se não é no todo, é nas partes principais. No caso da medida sobre a escola média, o ato é visivelmente reacionário.

Segundo as novas regras, a escola média poderá optar por estudos interdisciplinares. Ela poderá diluir as disciplinas tradicionais em “eixos temáticos”. Além disso, os estudos poderão ser organizados pelo aluno. Há mais novidades, mas nem vale a pena citar – é tudo muito triste.

As conseqüências disso, nós já sabemos. O pessoal do MEC e adjacências leu demais Edgar Morin, mas não entendeu. Acreditou que interdisciplinaridade é coisa simples. Na prática, o que ocorrerá será o seguinte: a escola particular terá condições de se flexibilizar e, funcionando por eixos, terá a chance de contratar professores menos especializados e, até mesmo, um professor para diversos assuntos. Economizará com isso, principalmente em direitos trabalhistas. Ao mesmo tempo, tendo que colocar os alunos nas faculdades, voltará a fortalecer o sistema integrado com o cursinho, como já se fazia. Assim, o MEC dá um presentão para os donos de escolas. É a festa do empresariado do ensino médio, e nós pagamos a conta.

As escolas públicas, sempre sem dinheiro, perdidas nas periferias e ao sabor da violência e do descaso, virarão logo uma bagunça. O aluno que, enfim, não sabe escolher matérias na faculdade, agora, dois ou três anos mais jovem, vai ele próprio organizar seus estudos. E vai fazer isso sozinho. Pois sabemos que os professores do ensino médio se formaram em licenciaturas específicas, não vão se arriscar em se responsabilizar pelos tais eixos temáticos. Aliás, só os que não sabem o que não sabem, os mal formados, irão dizer para o diretor “deixa comigo”. Caso a escola enverede por isso, por força de lei, haverá a desresponsabilização geral dos melhores professores em relação ao ensino.

Eis o professor da escola média, como ele fica: roubaram seus salários, seu prestígio, sua cátedra e, agora, tiraram dele seu último trunfo: o diploma. Na prática, deslegitimaram seu diploma. Sua formação de químico, físico, filósofo etc. não serve mais para nada. Os eixos temáticos serão uma forma de desqualificá-lo de vez. O presente para os donos de escolas é, então, para os professores e diretores do sistema público de ensino, um tiro nas costas.

O PT, o MEC e Fernando Haddad deveriam se envergonhar disso. Um partido que um dia teve como deputado Florestan Fernandes, um intelectual que deu total privilégio às especializações na formação da licenciatura, pois é delas que nasce, bem mais tarde, a multidisciplinaridade, é agora derrotado pelo seu próprio partido. Que partido? Este PT aí, vendido que está aos setores empresariais. Nem mesmo Paulo Freire, que era próximo de métodos escolanovistas, iria aprovar algo assim. Lembro-me bem de Paulo Freire, quando fui seu aluno, de como ele insistia nas linhas disciplinares, para que delas se pudesse ter o campo cultural mais complexo. Aliás, nesse ponto, ele convergia com Florestan, quando o assunto era educação formal.

O PT desse tempo acabou. Esse novo PT de Fernando Haddad em nada tem de progressista. Em educação, então, atua em consonância com uma política que faz tudo, hoje, para colocar ladeira abaixo as vitórias que tivemos nas lutas em favor da escola pública de ensino médio. Nunca vi traição tão grande. Uma traição preparada. Nunca vi uma venda da alma dessa maneira. Mas, aconteceu.

Minha única vingança contra esses abutres: novo capítulo para novos livros em filosofia e história da educação, dando nome aos responsáveis e culpados por esse tiro fatal na escola média pública, por essa falcatrua. Podem fazer o mal feito, corvos, mas, pela história, ficarão gravados como os que solaparam nosso ensino estatal.

Paulo Ghiraldelli Jr, filósofo.

9 Comentários leave one →
  1. shamankh permalink
    02/07/2009 18:55

    Ghiaraldelli, aqui está a copia do que respodi a respeito do teu artigo, ao likarmos este artigo para os filosofos do cafe.
    Muito obrigado, como sempre voce colocando um ponto de vista que é o que vai resultar a realidade, eu fico triste pois esta é a nova realidade da educacao.

    “Galera este artigo do Ghiardelli eu pedi pra Dinha linkar. Eu acho muito valido todos lerem, pois isto mostra como devemos esperar a educacao para um futuro imediato. Ou seja, Pelo o que o Filosofo escreve, a educacao vai ser de modulos, logo o aluno vai criar sua interdissiplinabilidade, e com isto nao vai ser mais necessarios professores diplomados, e sim por muitas vezes tecnicos. Logo o meu diploma de filosofia foi pro lixo, e quem ganha, Sao as escolas particulares que nao vao mais precisar contratar professores tirando o vinculo empregatissio e somente os contrantado para dar aulas nos modulos.

    Parabens para aqueles que Amam o PT, pois novamente nos vemos em mais uma “bosta” que estes estao a imprimentar neste nosso brasil que tanto fede as porcarias que andam a serem imprementadas nos ultimos anos de governo do PT.

    Para aqueles que acreditavam que a educacao novamente seria boa com a imprementacao da filosofia novamente na grade curricular, isto se torna um banho gelado. Pois, estao para acabar com a educacao.

    Parabens escolas particulares vcs ganharam mais está vao fazer seus modulos desde o 1 ano do ensino medio para formar modulos, voltados ao vestibular. Onde sera pra preparar Futuros tecnicos de area, pois de que adianta vc formar modulos destinado a uma area especifica, e nao dar outros conteudos para este aluno. Adeus educacao. Bem vindo ao comercio intelectual.”

    • 03/07/2009 4:07

      Entre no grupo “4pilares” e veja o tipo de defesa que se faz do MEC. Há outros tontos, mas ali, é o que me veio à cabeça agora, transmitido por uma amiga. É necessário ver como que tem gente que não percebe o que o governo está fazendo!
      Paulo

  2. lantoniobn permalink
    20/07/2009 14:47

    Sou professor em Pernambuco. É triste ver como a educação é tratada com descaso pelos nossos governantes, parece, como seu próprio texto deixa transparecer, que o objetivo maior de tais medidas é humilhar o professor e dar ao educando a falsa sensação de aprendizado. Infelizmente ou felizmente, nós educadores somos os únicos que podemos fazer algo para conscientizar a população do valor que o processo educacional possui, mesmo assim a batalha é árdua e os inimigos, como disse Cazuza, “estão no poder”.

    Gostaria de divulgar o texto. Peço, antes, sua autorização.

  3. gletson permalink
    08/08/2009 22:31

    Caro Paulo, vou divulgar no meu blog o texto. Infelizmente a escola pública é um laboratório de experiências macabras. Muitos “diretores” e um batalhão de “pedagogos” das chamadas SECRETARIAS DE EDUCAÇÃO vêm com a piadinha de que nada dá certo porque ninguém tem confiança no que faz, é preciso acreditar, dizem eles…acreditar em quê? É preciso que educadores fiquem conscientes de seu papel social, da luz que podem proporcionar ou da nefasta cegueira que, certamente, reforçará o bando dos inimigos da educação de qualidade. Fora propagandas enganosas e prêmios que não passam de farsa…

  4. Angela Maieski permalink
    04/08/2011 1:08

    Realmente, 1971 foi o marco da desqualificação da educação, mas acredito que o ensino médio não morrerá, mas essa idéia de “organização” de estudo, sim. Parece que andam misturando interdisciplinaridade, que pode e deve ocorrer em dados momentos e entre diferentes diciplinas com “professor pau prá toda obra”, resposável por um “eixo temático” de escolha do aluno.Hoje, vão faltar alunos nas Exatas, como antes faltavam vagas no Científico, sobrando no Clássico. Inversão de necessidades?

  5. 09/07/2009 11:28

    Sandro, obrigado! Pode repassar o texto? E você está na minha rede social? http://ghiraldelli.ning.com ?
    Paulo

Trackbacks

  1. O destino do Ensino Médio no Brasil « Bicho Geográfico
  2. MEC e CNE dão tiro de misericórdia na escola pública de nível médio « Café Filosófico

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: