Skip to content

Os gays e seus pais

25/07/2009

Para o Flavinho

Em uma lista de professores da internet, com o título “professor público”, asaum rapaz colocou a notícia de um pedido à Justiça, feito no Estado de Minas Gerais, para que travestis (ou qualquer outra pessoa em condição similar) possam ser tratados na escola pelos seus “nomes sociais”, e não pelos nomes de registro. A idéia é simples e justa: ninguém que é conhecido por “Valéria” quer ser chamado de “Francisco”, ninguém que é visto como “João” gosta de ser tratado por “Maria”. O “nome social” é o nome adotado por uma pessoa, e deve ser respeitado. É como o caso do Presidente da República que, para não ser confundido na cédula, alterou seu nome, colocando o “Lula” no interior do “Luis Ignácio da Silva”. O Presidente fez isso de maneira legal. Mas, no caso de travestis e pessoas em condições similares, muitas vezes a possibilidade de trocar de nome não se faz presente, e a situação escolar já os constrange antes disso.

O triste da história foi ver que na mesma lista, uma pessoa que se autodenominou professor, avaliou o pedido à Justiça (ao qual me referi) como “pura sem-vergonhice”, afirmando que “homem tem que ser homem e mulher tem que ser mulher”. Não perguntei para a tal pessoa o que era “ser homem” e o que era “ser mulher”, pois o que viria dela, tenho certeza, não seria útil para ninguém. No entanto, a forma com que tal pessoa se comportou, trazendo à tona um jargão que só ouço na boca de extremistas de direita (não raro, sempre querendo se passar por liberais), trouxe minha digitação para um campo que, agora, no mês de agosto, é um tema da mídia: dia dos pais. O que tem a ver uma coisa com outra? Ah! Muito!

Fruto da escola pública dos anos 50 que, enfim, chegou viva até meados dos anos 60, eu nunca passei pela experiência de olhar para o lado e, então, encontrar um coleguinha chamado Mário maquiado com o batom da Valquíria. Todavia, quem disse que isso não é a realidade de hoje? Tiramos a homossexualidade da condição de “doença”. Fizemos da preferência sexual e, junto com ela, a opção pela identidade social geral, uma questão de decisão individual. Chegamos, inclusive, a promover leis de proteção a tais opções, como extensão básica de direitos liberais em uma sociedade democrática. Temos caminhado duramente nisso tudo. Ao mesmo tempo, temos contado com o apoio de toda a plêiade de grupos que se encaixam no guarda-chuva do título das paradas do “Gay Proud”, no sentido de não deixar com que essa luta se torne algo vingativo e “sem espírito”. Assim, em termos apropriados, quando do tempo do filme “Filadélfia” tínhamos de nos conter e não usar a expressão “bicha louca”. Mas, já nos tempos em que estamos vivendo, o do “Breakfast in Pluto”, qualquer amigo homossexual com quem converso usa a expressão “bicha louca” sem achar ofensivo. O movimento gay fez mais que outros movimentos sociais neste aspecto semântico: conseguiu vitórias sem precisar, com isso, vestir terno e gravata, perder o “espírito”. Nesse sentido, o movimento gay tem muito a ensinar ao movimento negro e ao movimento feminista, com certeza!

O que tem a ensinar? Simples: é preciso ser inteligente, para tudo, e por isso mesmo, antes de qualquer decisão é necessário não deixar de lado a observação dos detalhes. Nem toda expressão é, por si mesma, pejorativa ou elogiosa. A língua se faz no contexto. Ela é contexto, nada além. Por isso, a questão do “nome social”, uma vez tendo estabelecido o contexto, é uma questão válida. Ora, mas a questão desse nome social ser algo que foi pedido para ser adotado na escola trouxe aqui o meu tema, o da questão dos pais.

Os gays não são gays adultos.  O grande drama de quem tem identidade social de minoria não é confeccionado na vida adulta e sim quando essa identidade não se configurou plenamente. É nessa hora que o problema realmente é um problema. É nessa hora que o massacre da maioria atinge a minoria. Caso nosso desejo seja o de viver na democracia, temos de entender que democracia não é o regime da vontade da maioria. A democracia é o regime das decisões da maioria e do respeito aos direitos básicos – de expressão, de ir e vir, de moradia, de identidade etc. – das minorias. Então, é na hora do início da construção da identidade social de cada indivíduo que a situação é difícil – para todos nós. Ora, para quem vai assumir identidade de minoria, mais difícil ainda.

Uma boa parte dos gays que conheço tentou alguma forma de suicídio na adolescência. Uma parte dos que levaram adiante isso, o fizeram já na idade adulta. O que determinou isso? Na maioria dos casos, a gota d’água foi a relação endurecida com o pai. No mês de agosto, em que comemoramos o Dia dos Pais, deveríamos de começar a pensar em uma revolução quanto ao que é ser pai ou não.

O que é necessário para ser pai? Ser pai é, antes de tudo, ser alguém aberto ao cosmos. Para ser pai é fundamental ter a consciência de que não se é um deus. O que um pai mais deseja? A felicidade do filho? Não, infelizmente, os pais são poços de egoísmo disfarçados de boas intenções e de capas e capas de altruísmo. O que os pais querem é plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho, contanto que a árvore seja regada pelo filho, o livro seja a história de quanto o filho é a cara do pai e, por fim, que o filho seja tudo que o pai não foi, mas que gostaria de ter sido. Essa projeção mata a sociedade. A pessoa que quer ser pai deveria, antes de ter filhos, olhar para o espelho e falar: não sou deus, portanto, o que vier como filho, não poderá ser alterado por mim, e terei de não só aceitar, mas amar. Quem não está preparado para tal, não deve ter filhos. Infelizmente, ninguém olha para esse espelho.

Boa parte dos pais se modifica no decorrer dos anos. Aos poucos, vários percebem que o “Édipo” era um brincadeira séria do Freud, que o filho é uma pessoa singular, que precisa seguir um caminho único, dele próprio. Ninguém quer um filho no caminho do crime. Dizem alguns que nem mesmo os criminosos que se orgulham do crime querem isso. Mas, até nessa situação extrema, uma boa parte dos pais aprende a amar os filhos. Uma parte dos pais começa a perceber, às vezes tardiamente, que na diferença dos filhos, eles são muito iguais aos pais.

O filho ou a filha “gay” não deveria ser amado ou amada “apesar de gay”. Está na hora de invertermos a seta e amarmos os filhos pelo desempenho social que eles prometem em favor de nossa utopia de uma sociedade em que seremos “versões melhores de nós mesmos”. Veja, não estou pedindo amor incondicional. Estou pedindo bem menos! Sendo assim, imagino que na hora em que um filho ou filha se põe na defesa de sua identidade social, isso pode e deve ser um orgulho para o pai. O verdadeiro pai é aquele que consegue dar um passo além de sua própria pele semântica e, então, ver que seu filho, ao “sair do armário” e se redescrever como gay, antes de tudo, é uma pessoa de coragem. Mesmo nos tempos atuais, uma pessoa assim ainda é uma pessoa de coragem – e muito! Pois, por mais que existam leis contra a homofobia, quando alguém se redescreve como gay e, então, põe no jogo social uma nova semântica em relação a si mesma, o que se está dizendo ao mundo é um recado filosófico: eu sou suficientemente inteligente e corajoso para abraçar a contingência. Nos termos de Nietzsche: eu sou aquele que vive o amor fati.

A noção de amor fati, em Nietzsche, está longe de ser a “resignação” de Max Weber. Amor fati é amor aos fatos, amor ao destino. Não se ama o destino aceitando-o. Não se ama os fatos tomando-os como pedras na cabeça atiradas por Saturno. O amor, neste caso, é o amor de poder viver e, então, passar pelas experiências que só os vivos passam. Uma vez gay, viver isso é uma experiência fantástica.  Mas, é algo de coragem, pois se o desconhecido se abre: o que acontecerá comigo? Serei menosprezado? Terei dificuldades na escola e no emprego? E meu pai? Sim, são essas as questões que o adolescente enfrenta. Principalmente esta: e meu pai? Diferente de outro adolescente, que vai cumprir seu “Édipo” em “em CNPT”, o adolescente gay sabe, muito bem, que ele pode sucumbir. Ela sabe que poderá não suportar e, então, em dado momento, terminar como outros seus colegas, no suicídio.

O pai deveria ser o primeiro a jamais deixar isso ocorrer. O pai dá a vida através do espermatozóide, deveria, então, mantê-la. Não deveria tirá-la. Vi pais vindos da zona rural, completamente brutalizados pela vida, terem orgulho de seus filhos gays. Vi pais urbanos, escolarizados, colocar sob tortura e morte um filho gay. Está na hora de uma revolução na idéia de ser pai, para além da conversa de “pagar pensão”. Deveríamos, a partir deste agosto de 2009, ver o quanto temos a coragem de participar da revolução semântica de um filho nosso que adotou uma nova identidade social. Deveríamos começar a entender aquilo que Stan Lee tentou ensinar com “X Men”. Será que nem histórias em quadrinhos conseguimos entender? Será que sempre seremos pais pouco inteligentes – e covardes?

Paulo Ghiraldelli Jr, filósofo

4 Comentários leave one →
  1. Luiz Claudio permalink
    31/07/2009 23:34

    Olá Professor Paulo,

    Gostaria de parabenizá-lo pelo excelente texto “Os gays e seus pais” publicado em vários dos seus espaços virtuais e o qual tive conhecimento através de um e-mail recebido. Honesto em suas perplexidades e lúcido em sua análise das posturas relativas da aceitação da homoparentalidade.

    Sinto-me à vontade nesse comentário pois minha história pessoal, felizmente, me autoriza a tanto. Sou homossexual e antes de viver minha orientação de modo pleno tive a experiência ser marido e pai numa relação heterossexual.

    Hoje, aos 45 anos de idade e vivendo com meu companheiro, vejo com felicidade meus 3 filhos, estudantes e/ou formados pela USP, terem uma compreensão e uma visão da pluralidade humana a qual raramente vejo em jovens de idade semelhante.

    Mérito principalmente deles mas, modestamente, acho que fui um pai que, por saber da falta que ne fez não ter o apoio incondicional dos meus, rapidamente entendeu e incorporou uma outra atitude nas suas posturas paternas.

    O resultado foi que, menos em nos deter naqueles eternos embates de “quem deve amar quem” que as famílias heteronormativas perdem seus preciosos momentos, usei nosso convívio, enquanto estavam “sob minhas asas”, para o aprendizado mútuo do respeito e da liberdade.

    Hoje, com um deles já com nova família constituída e os outros se encaminhando para isso (acabei por não ter um nenhum “descendente gay”)percebo o quanto essa atitude fez e faz uma significativa diferença em suas visões de mundo.

    Outrossim, quero lhe informar que vou republicar seu texto no blog, também do WordPress, que administro voltado à discussão da Homofobia. (http://homofobiajaera.wordpress.com/).

    Torço para que, dentre seus diversos olhares sobre a contemporaneidade , você o detenha novamente sobre as questões homossexuais. Ganhamos todo com esse saber com sabor com tanto respeito pela diferença.

    Abraços

    Luiz Claudio, Campinas

Trackbacks

  1. Drama Gay. « O Patriarca Contemporâneo
  2. Você tem que esconder seu verdadeiro eu para ser aceito? « Intrépida mãe

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: