Skip to content

Xuxa está para Sarney como Sasha estará para ­___. (Dilma, Marina, Serra etc.)

27/08/2009

bons de bico

[Escute no Podcast]

Sasha é filha da Xuxa. Sasha faz filme com a mamãe. Sasha tem 11 anos. Sasha escreveu no seu twitter a palavra “cena” com “s”. Xuxa ficou brava com os críticos. Xuxa deu a desculpa: a Sasha foi alfabetizada em inglês.

Xuxa fez um dicionário usando “x” em tudo. Sarney era o Presidente da República. Sarney não gostou.  Sarney falou isso publicamente. Xuxa chorou. Xuxa disse que era muito nova e não sabia o que era o certo e o errado. Xuxa tinha 25 anos.

O que você tem aí acima são dois fatos e dois ditados. Os dois fatos ocorreram e o primeiro é recente. Isso acontece nas melhores famílias. Uma menina de 11 anos pode cometer um erro ortográfico – é bem perdoável. Mas o que não pode ocorrer é o ditado desaparecer da escola. O que não pode ocorrer de modo algum é o que vai ocorrer agora: a Unesp (uma universidade estatal!) irá criar, se é que já não criou, uma infinidade de vagas para o curso de pedagogia, tudo em forma de EAD – Ensino a Distância. O orçamento da universidade não cresceu e, então, tirando do que não tem, tal instituição vai formar os professores das aspirantes a Sashas por meio de monitores e do ensino aligeirado.

A USP fez um projeto de EAD para formar professores. Teve de parar. Uma greve de alunos relativamente conscientes a fez parar. A Unesp não, vai em frente. Frente? Não se pode dizer que isso é frente. Isso é vergonhoso, pois é a velha história de sempre, nada de cursos de química ou engenharia para os pobres, e sim o curso de pedagogia. A idéia dos nossos reitores parece ser esta: vamos pegar todos os pobres e dar-lhes diplomas de professores do Ensino Básico. E para que eles não abandonem os ricos, indo para a universidade por 4 anos, vamos mantê-los no trabalho. Com isso, mantemos todos nos seus postos e ao mesmo tempo conseguiremos colocar boas estatísticas para os organismos internacionais. Ou seja, logo teremos uma legião de professores, vindos das “camadas populares”. Será a glória dessa esquerda política que nunca foi de esquerda, pois isso não é política educacional que se apresente, isso é uma forma de populismo barato e, pior, Bons de bicoineficaz. Essa é a política educacional da universidade estatal de São Paulo – será uma política que Serra aprova? Uma coisa é certa, trata-se de uma política que o MEC de Fernando Haddad aprova. É a política (educacional ?) do Lula.

O Brasil é o país da mentira. Tudo começa já com uma mentira: Pedro Álvares Cabral, um português, descobriu o Brasil. A mentira continua agora nas estatísticas: o Brasil está ampliando o número de alfabetizados. No entanto, é fácil derrubar essa conversa fiada. Qualquer um de nós que lida com o ensino (e com a Internet) vê que o erro de Sasha, agora, não é cometido por crianças somente, e sim por adultos – uma boa parte desses adultos já possui o diploma de nível superior.  Não raro, esse diploma é o de pedagogia.

Fernando Haddad, Lula e, agora, a direção da Unesp, estão nessa linha: que os números mintam por nós para que possamos, ao final dos tempos, dizer o que sempre dissemos: “não sabíamos de nada”. Não é a universalização do ensino, é a universalização do “estilo Lula de ser e estar”.

Mas, mentira tem perna curta, dizem todos. Recebi aqui os primeiros dados de uma pesquisa não governamental. Um grupo de professores experientes fez uma análise comparativa entre os erros de pessoas alfabetizadas pelo Mobral (da época) e alunos de cursos de licenciatura de universidades estatais e de renomadas universidades particulares (atualmente). O resultado é de deixar qualquer um de cabelo em pé. O texto do aluno do Mobral, quando considerado alfabetizado oficialmente, contém menos erros ortográficos que o do aluno atual que irá ser professor.

A saída para isso não é a adoção de novos métodos de ensino. O ditado da velha didática cumpriria sua função. Ele cumpre tal função em vários outros países que não se desviaram de seu destino.  A saída para essa situação de analfabetismo funcional que vivemos é trazer os melhores para a profissão de professor. Para tal, a carreira do magistério precisa ser valorizada. Todos dizem isso: sem a carreira atrativa, não se muda a educação brasileira. Ninguém mais consegue dizer outra coisa.

Bons de bicoMas a valorização não se faz simplesmente pelo aumento salarial pela via do “bônus” ou pela via do “tempo de serviço”, e sim pelo aumento salarial substancial acoplado a um sistema voltado para a premiação da capacidade intelectual do professor, avaliada em provas regulares e individuais. O professor do ensino de crianças e jovens no Brasil não pode ganhar de modo tão diferente do professor universitário ou de outras profissões que requisitam educação universitária. Todavia, sua ascensão na carreira, como a do professor universitário (ao menos em princípio), deve correr pelo leito da sua demonstrada competência no domínio dos conteúdos intelectuais aos quais tem o direito, por lei, de ensinar.

A última coisa que podemos fazer para sairmos dessa mentira que nossos dirigentes estão criando, a partir de estatísticas ludibriadoras, é a adoção do EAD na formação de professores. Não temos que ser contra o EAD, mas temos de barrá-lo na forma que está sendo propagandeado e posto em prática, como panacéia para suprir nossa falta de professores. Não devemos fazer  isso apenas em benefício da formação de professores, mas para proteger o próprio EAD. Do modo como estamos caminhando, nosso país não terá bons professores e, pior, em curto prazo veremos o EAD desacreditado. Então, novas estatísticas falsas irão tentar dizer que o fracasso não foi culpa do EAD ou, então, dizer que o fracasso foi não da Unesp ou coisa parecida, mas do EAD.

Caso não fizermos isso, cada novo professor vai ter de aproveitar o barco da Xuxa e, todos os dias, dizer: fomos todos transformados em professores por meio de um EAD que errou o programa, era tudo em chinês, sânscrito e coisas assim, então, perdemos o traquejo com o português. Para Sasha, até que vale. Para os pobres que irão pegar diplomas de faculdades estatais via essa falcatrua que está sendo armada, não valerá. Mais uma vez, os pobres serão enganados. Mais uma vez, tudo dará errado. Até lá, os ideólogos que estão ganhando dinheiro e poder com essa fórmula, junto a reitores e ao governo, já terão usufruído das benesses desse poder e já terão usado o dinheiro.

São Paulo, 26 de agosto de 2009

© Paulo Ghiraldelli Jr. filósofo

Rede: http://ghiraldelli.ning.com.br

Blog: http://ghiraldelli.pro.br

Portal: http://filosofia.pro.br

No comments yet

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: