Skip to content

Feios, gordos, dessexualizados e infelizes

10/02/2010

“Quem ama o feio, bonito lhe parece”. Sim, mas o difícil é amar o feio.   Arthur Danto tem insistido que a arte não se relaciona mais com o belo. Talvez até ocorra o contrário, há objetos em galerias que visam arrancar todo tipo de expressão dos visitantes, menos a de prazer com belo. Umberto Eco, diferentemente, acredita que há, sim, um belo em nosso tempo, mas que não está mais na arte e sim na mídia, algo voltado para o que ele chama de “consumo”.

Hoje, mais do que em qualquer outra época, o que consideramos belo está profundamente ligado a nós mesmos. Nossa cultura atual é narcísica – certamente! Mas não devemos notar isso para colocar dedos em riste. É bom aqui apenas tomar distância tendo consciência histórica. O narcisismo é apenas o desdobramento do processo, marcadamente moderno, de surgimento do sujeito como peça importante de nossos discursos e de culto do indivíduo como elemento produtor e produto da política – exatamente uma das facetas da boa doutrina liberal. Isto tem empurrado o belo na direção de nós mesmos. É tão verdade isso que quando falamos em belo, para a maioria de nós, não vem à mente algo como uma obra arquitetônica ou uma paisagem, mas a figura do corpo humano. Aliás, nem mesmo o corpo humano representado no mundo das artes plásticas, mas o corpo, em nosso imaginário, como já se apresenta no mundo da mídia. Um mundo que se funde, é claro, com o mundo do consumo estratificado.

Belo somos nós. Nada pode ser propriamente belo, senão nós. Há inúmeras coisas no mundo que podemos dizer que são belas, é claro, mas parece que estamos realmente falando do belo quando estamos nos referindo à figura humana. Demorou mas, enfim, nossos corpos foram para o palco que criamos nos tempos modernos e, uma vez tendo chegado lá, são os donos da cena.  Quando falamos em beleza, hoje, o que é chamado à mente tem a ver com a nossa silhueta humana. Nada há no mundo urbano de mais celebrado como o lugar do belo que os espaços em que há o desfile – em avenidas, nos shoppings, na TV e, agora, na Internet, que nada é senão a fusão disso tudo.

Essa centralidade do belo em nós mesmos deveria ser celebrada. Afinal, que bom que podemos, ao falar de beleza, falar de nós mesmos, não é verdade?  Mas essa humanização do belo e, ao mesmo tempo, a democratização do belo e a socialização das nossas imagens têm seu preço. E esse preço não vem com a facilidade do crediário.

Belo somos nós e na riqueza de nossas divergências é que encontramos a pluralidade do belo. Ao mesmo tempo, junto dessa pluralidade, alguns elementos padronizados saem das catacumbas do inferno, como se viessem de bueiros das grandes avenidas para se incrustar nas vitrines, dar brilho às academias, criar palcos especiais de TV e colocar webcans em rotinas twitteiras. Junto do mundo plural, paradoxalmente  a sombra do partido único levanta sua cabeça: a estética da silhueta malhada ou magra se impõe e espalha o horror à gordura.

De onde veio isso? Não era para esse mundo urbano e plural, que cultiva a profusão de tipos e tribos e que tem a Internet para ajudar nisso, ter varrido de vez qualquer ditadura da padronização? Sim! À primeira vista era isso que esperávamos. Ora, se assim é, de onde surgiu esse culto à beleza do corpo magro ou malhado? Não é essa padronização exatamente o oposto da liberdade com que somos banhados atualmente?

Talvez possamos tentar entender essa padronização vinda do inferno como sendo um aviso de nosso narcisismo contra uma outra padronização – esta sim efetiva. Pois, ao mesmo tempo em que colocamos no altar a magreza e/ou o corpo malhado, o que ocorre mesmo é que temos ficado disformes, gordos, relaxados e profundamente feios. Há muito gente gorda (e por isso feia) andando nas ruas. Então, como que se tivéssemos um sininho de aviso, nosso vocabulário se altera rapidamente e transforma a palavra “gorda” no único palavrão que realmente ofende uma mulher – e agora também um homem – na atualidade. Assim, no frigir dos ovos, antes que uma ditadura do corpo malhado ou magro o que se efetiva é uma reação contra a ditadura já existente, a que fez com que, na prática cotidiana, nos tornássemos essas pessoas que tiram fotos todos dias e, no entanto, são completamente não apresentáveis. Essa ditadura real é a da vida sob condições modernas: trabalho em ambientes fechados, comida de fast food ou em restaurantes do tipo self service piores que o fast food, horas de tensão no trânsito, consumo de alcool em excesso para “relaxar” do dia de trabalho etc.

Vamos ser sinceros. Podemos achar mulheres lindas e atrativas no Orkut. Podemos achar garotos belíssimos no Twitter. Mas tudo isso é limitado aos ultra jovens. No geral, o que temos é um festival de horror. E na vida cotidiana, afastados das câmeras semi-privadas de nossos PCs, esse festival de horror torna-se ainda mais macabro. Somos um bando de feios, ou seja, gordos. Formamos a escória do mundo. Então, como não podia deixar de ocorrer, nos transformamos em pessoas descontentes com o que somos corporalmente. Sendo que em nossos tempos nossa identidade é, em alto grau, corporal, somos pessoas pouco felizes . Nada em nós nos agrada. Mesmo quando temos  êxito, parece que não podemos comemorar, e culpamos nossa silhueta. Caso tenhamos algum fracasso, então a própria culpa é do nosso peso, de nossa feiura. Temos agora, no mundo contemporâneo, um palco para cada um de nós. Mas, subir nele, todos os dias, tem sido uma tortura, uma vez que não nos sentimos aptos a nos mostrar ali. Por isso mesmo entramos sem qualquer piedade na primeira academia da esquina e fazemos nossa matrícula. Acreditando que iremos mesmo freqüentar aquilo. E então, ao final do mês, com o claro insucesso da academia sobre nós ou com o êxito falso e perigoso dos anabolizantes, marcamos a data da lipoaspiração. Ora, mas é a que podemos pagar e, assim, vamos para o perigo. E acabamos ficando por ali mesmo, na mesa cirúrgica, mortos. Morremos! Isso antes por sermos feios do que por vaidade excessiva.

Não morremos ou nos ralamos pelo culto a um padrão de beleza. Prejudicamo-nos porque, ao ficarmos completamente fora da possibilidade de subir nos palcos que agora temos em demasia, forjamos um antídoto muito severo contra essas montanhas abomináveis  de banhas em que nos tornamos.  Não conseguimos nos redescrever e, então, nos aceitarmos. Vivemos tensionados, de regime em regime. Da compra de inúmeros produtos de beleza e rejuvenescimento passamos para as cirurgias plásticas e para o implante de silicone em todas as partes do corpo. Queremos de toda maneira esculpir a barriga de tanquinho através de processos de lipoaspiração associados à siliconização.  Poderíamos fazer tudo isso dentro de uma situação mais ou menos normal, harmônica. Mas isso não foi possível. A aceleração da Internet na democratização do palco deu um empurrão em nosso narcisismo, mas, ao mesmo tempo, nosso trabalho e nossa vida massacrante e deserotizada nos força a ficar feios. Queremos resolver isso da noite para o dia. Disso surgem as tensões, o profundo descontentamento pessoal e as frustrações irreversíveis. Aí, em certos casos, não temos medo de dizer “antes desaparecer da face da Terra do que viver sob essa aparência”. É nessa hora que passa um anjo torto e diz amém.

Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo

Perguntas aqui ó: http://formspring.me/ghiraldelli

Dia 31 de março, 19 hs. você está convidado para o lançamento de A aventura da filosofia, da editora Manole, na livraria cultura do Conjunto Nacional, na Av. Paulista

O livro já está à venda na Manole e livrarias!



Blog: http://ghiraldelli.pro.br
Twitter: http://twitter.com/ghiraldelli
Rede: http://ghiraldelli.ning.com
Portal: http://filosofia.pro.br

3 Comentários leave one →
  1. 27/01/2012 23:32

    As pessoas estão cada vez maiores, e mesmo assim cada vez mais não se tocam.

  2. 12/09/2012 20:30

    Não sei se você notou Paulo, mas a moça da foto que você colocou nesse texto esta vestindo uma blusa transparente, revelando o desenho de seus mamilos, e uma saia tão curta que é possível ver que ela está sem calcinha. Não sei de onde é essa foto, se de uma publicação para o público masculino adulto ou sei lá o que, mas o que me instigou é que a primeira vista a foto parece ser direcionada ao publico infanto juvenil. Afinal, á sensualidade em super heroínas está presente nos desenho animados da manhã. A diferença aqui é que o que antes estava no imaginário nos menino de dez, doze anos, é revelado de forma quase que subliminar!

    Você não acha que esse assunto dá pano pra manga!?

  3. 14/10/2013 18:24

    Quem ama, o feio bonito lhe parece. Essa é a correta tradução da frase. Abraço.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: