Skip to content

CÉREBROS IRRECUPERÁVEIS?

17/06/2011
Porco ou Burro?

“Não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem”. Durante muito tempo essa frase valeu tanto no seu sentido jocoso ou meramente expressivo quanto, às vezes (ainda que raramente), em um sentido literal. No Brasil de hoje, dado o fracasso do ensino médio associado ao avanço das religiões sem tradição histórica, isso se perdeu. A juventude de hoje não vê nada engraçado na frase. Não são poucos universitários que não sabem dizer o que indica a palavra “milagre” ou o que realmente diz a palavra “mágica”.

Não é difícil encontrar hoje um jovem que faz o curso de filosofia (até mesmo em uma boa universidade!) e que não sabe as três leis de Newton. Alguns também não sabem dizer quantos satélites Marte possui. Outros não sabem mostrar que figura poderia aparecer num gráfico cartesiano a partir da função f(x) = x-1. A cultura científica básica, que deveria ser adquirida no ensino médio, não lhes é comum. E o pior: eles não podem entender filosofia por uma razão simples; pela falta de cultura do ensino médio, não são poucos os que não sabem o que é uma relação causal e uma relação racional. Explicar Hume para eles? Nem pensar! Quine e Davidson? Só um professor maluco tentaria (ai de mim!).

Poderíamos achar que isso tudo não é bem assim, e que na verdade eles são apenas pessoas que estão de um dos lados daquilo que vários americanos chamam de “as duas culturas”. Ou seja, ao invés de serem estudantes de filosofia que procuraram o curso por conta de curiosidades científicas, são os que vieram tentar filosofar por conta de provocações literárias. Mas isso também não é verdade. O fracasso do ensino médio e o excesso de cultura pela imagem atingiu o alvo: tirou-os da reta de poderem ler um Machado de Assis. Assim, tentar falar da “subjetivação do mundo” para eles e, no meio disso, citar o conto “O espelho”, é perda de tempo. Eles não sabem do que se trata. Só um doido varrido tentaria ensinar Nietzsche ou Foucault para eles.

A cabeça do jovem estudante universitário no Brasil de hoje, não raro, é um caldeirão de cozinhar bobagens. Em alguns casos, se o estudante consome muita droga e fica abobado, isso não o faz diferente do aluno que nem cerveja toma. Ambos não falam coisa com coisa. Alguns podem ser abduzidos por seres alienígenas, outros podem aderir às mais estapafúrdias teorias da conspiração. Há os que se aferram às religiões e rezam para aprender teorias de Diderot (um fervoroso ateu) de modo a “passar na prova”.  Tudo isso pode estar enfiado num caldo de antiamericanismo que os leva a pensar e a dizer (com certeza que a imbecilidade permite) que Bin Laden nunca existiu. “A CIA controla tudo e tudo inventa”. E quando dizem isso, sinta-se bem, pois poderiam dizer coisa pior. Poderiam ou, de fato podem, falar que sabem “com absoluta precisão” como que Jesus tirou Lázaro da morte. Eles tomam a religião não como um discurso moral, mas como uma criança de cinco anos de idade da minha geração tomava, como uma descrição da natureza do mundo e coisas assim (as crianças de nove anos já deixavam isso de lado, uma vez que éramos todos católicos e, portanto, naquela época, laicos!).

Isso não é um privilégio do curso de filosofia. Outros cursos possuem esse tipo de aluno saindo pelas tabelas também. Mas há cursostécnicos em que a ciência que os alunos precisam aprender já vem embutida no material que vão lidar. Então, o caos mental em que vivem não atrapalhará o andamento do adestramento que irão receber para ficarem hábeis na manipulação de instrumentos. Agora, nos cursos em que se exige uma mentalidade capaz de lidar com o trabalho da razão, as coisas realmente ficam difíceis. Como colocar um bando de pessoas criadas em uma mentalidade pré-moderna, aquém de poder conseguir perceber o que é uma contradição lógica e o que é uma inferência correta, no domínio de um saber que, sendo universitário, muitas vezes é antes meta-científico que propriamente um discurso científico? Ah, sim, nessa hora, o professor diz: para continuar a tentar ensinar, também eu terei de ficar místico e meio bobo, pois terei de acreditar em milagres. É isso! Salve-se quem puder no areia movediça em que vivemos hoje.

© 2011 Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo, escritor e professor da UFRRJ.

PS: no Twitter um estudante de filosofia de Piracicaba ficou furioso comigo por conta de piadas sobre Deus e Jesus. E quando fiz piadas sobre Zeus, ele me informou que “Zeus não existe”.

5 Comentários leave one →
  1. 02/07/2011 12:46

    Concordo que o nível de cultura que é recebido no ensino médio hoje é terrível, talvez hoje educação seja medida pela quantidade de escolas técnicas que possuirmos. Mas realmente tais alunos podem ser ótimos técnicos, não é verdade. Então o problema se agrava ao chegar a universidade com uma mentalidade tão baixa.

    Então, sua posição seria que é preciso intelectuais para pensar a cultura, e que isso está difícil hoje, pois nossa educação está mascarada. Mas por que só na universidade isso se agrava? Talvez a pergunta pareça até boba, claro eles não entendem o Nietzsche, o Foucault, o Heidegger; porém, na verdade eles não entendem nem a eles próprios. Quero saber, para simplificar: a universidade nessa caso é vilã ou tem algo de herói para esses jovens? E se essa ultima hipótese é verdade, pode-se ainda fazer algo, mesmo com o dispêndio trazido do ensino médio?

  2. 01/08/2011 21:52

    Me senti tocada com esse texto.

  3. 31/10/2011 2:46

    Olá, Prof. Ghiraldelli! Primeiramente gostaria de te parabenizar pelo excelente compêndio de informações, discussões e videoaulas que o senhor andou disponibilizando pelo caótico e entorpecido mundo de informações que é a Web.

    Meu nome é Gabriel e sou professor, apesar de estar cursando o último ano de letras. Sou leitor assíduo de filosofia desde a minha adolescência (declaro-me estar em uma pós-adolescência), comecei com Schopenhauer (tinha lá meus motivos, MUITA onda pessimista e egocêntrica fluindo naquela época, eu admito), partindo para Nietzsche, no qual, hoje, já terminei de ler todas as obras publicadas oficialmente pelo pensador, além da tal filosofia canônica, vindo dos pré-socráticos adiante.
    O ponto onde quero chegar é que achei o senhor muito aberto a espontâneo, no sentido que percebo em você uma pessoa muito ativa, pragmática, diria.Confesso que acabei de descobrir seu blog, após algumas semanas assistindo e esclarecendo “n” questões de filosofia que ainda estavam um pouco nubladas em minha mente. O senhor ganhou um aluno “informal”.
    Em relação ao conteúdo deste post, isso me atinge de maneira plena, tanto no âmbito do que passei (pois faz apenas 5 anos de deixei o ensino médio) quanto no momento atual em que após o estágio uma escola quis me contratar (mesmo antes do diploma) porque gostaram de mim e, realmente, isso o que foi discutido em seu post é impressionante. Sem mais delongas (além do que já me prolonguei), assisto e convivo com essa realidade no meio acadêmico, onde percebo que sou “destaque” entre colegas que estão cursando letras por “falta de opção” ou por que queriam “aprender inglês”, muito pelo fato de eu levar a sério o conhecimento e o estudo.

  4. 08/11/2011 20:58

    Acho que o mundo virtual “burrifica” ainda mais os jovens dessa geração. Mentes cheias de nada que afloram via redes sociais! mortuus philosophorum!

  5. 25/01/2012 12:20

    Como educadora, fico muito triste com a realidade…

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: